terça-feira, 28 de outubro de 2014

Igualdade





 Autor Thiago D. Trindade



A lucidez do professor Allan Kardec, foi realmente impressionante. Incumbido de organizar, na Terra, a Doutrina dos Espíritos, determinada por Jesus, o Codificador se viu às voltas com uma série de questionamentos morais e científicos, que gradualmente foram elucidados por nobres Espíritos, como Fénelon, Santo Agostinho, São Luis e outros valorosos irmãos espirituais. Dessa forma, chegamos a Codificação Espírita, cujos pilares são o Evangelho Segundo o Espiritismo, Livro dos Médiuns, Livro dos Espíritos, Gênese e Céu e Inferno. Há outros, é verdade, mas esses são a base da Doutrina, o início do desvendar do véu.

Mas, por que dissertar, ainda que muito brevemente, sobre fundamentos do Espiritismo? Simples. A resposta é a igualdade de todos perante à Criação. Igualdade perante a Lei do Progresso, a Lei da Ação e Reação, em suma, a Lei do Amor.

Kardec, muito preocupado com a posição da Humanidade, com seus dramas e alegrias, no capítulo 10, da terceira parte, na questão 803, pergunta se perante Deus os homens são iguais. A resposta, claro, é positiva e a Espiritualidade ainda cita uma frase muito comum a nossos ouvidos: “O sol brilha para todos”.

O sábio lionês observa que todos nós estamos sujeitos às mesmas Leis da Natureza. Ou seja, ninguém é privilegiado. Nem mesmo Jesus, que foi criado simples e ignorante há incalculáveis anos, e hoje é o Governador Espiritual da Terra.

E falando no mestre, há mais de 2 mil anos, Jesus alardeava que éramos todos iguais. E iguais a Ele. Vejamos:

Quando Maria, sua mãe, e seus irmãos, procuraram por Jesus em Betânia, o Carpinteiro estava em pleno serviço fraterno. E Jesus respondeu a seus discípulos que o alertaram da chegada da bondosa mulher: “Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?!”
Sem dúvida, essa frase fora dita pelo Mestre com energia, e o choque que seus discípulos sentiram certamente os fez pensar sobre a verdadeira família, aos olhos de Deus.

E outras frases Jesus disse, todas profundas verdades que repetimos, mas não praticamos como devemos. Ei-las:

“Meus discípulos serão reconhecidos por muito se amarem.”
“Amar o próximo como a ti mesmo.”

Mas o que essas duas frases, que estão aí em cima, tem a ver com a igualdade preconizada por Kardec?

A verdade é que estamos todos no mesmo barco. Na grande família universal, temos a obrigação de compreender as imperfeições dos outros, sem esperar que compreendam nossas próprias imperfeições. E se o irmão não quiser compreender nossas imperfeições? A resposta esta com Jesus:
“Pai, perdoa-os, pois não sabem o que fazem.”

Voltemos, agora, à resposta obtida por Kardec, lá na questão 803, onde faz referência ao sol brilhar para todos. O sol, grandioso astro, derrama sua luz para todo o mundo de forma igual. Falando em termos espirituais, Jesus é o nosso sol moral. A luz que ilumina o Caminho, que nos leva à Verdade, que nos direciona a Vida.

O problema é que alguns de nós usam o livre arbítrio para nublar o sol do Cristo que há dentro de cada um de nós. Escondem o sol do Cristo com rancor, inveja, cobiça e vingança. E se não há sol, como as flores da virtude irão crescer dentro de nós? Como, sem  Cristo, seremos felizes?

Se na soprarmos ventos de fraternidade, de perdão, de fé  esperança, como deixaremos nossas dores para trás?

Entendamos isso, de nada nos vale conhecer todas as vírgulas da Codificação Espírita, os livros do Evangelho se nós não arregaçarmos as mangas e trabalharmos em prol do nosso próprio desenvolvimento.

3 comentários:

  1. Bom dia Thiago, muito edificante seus textos. Obrigado por estar sempre nos presenteando com tão preciosas e necessárias informações. Que Deus o ilumine sempre!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo artigo! profundo e íntimamente coeso com a Doutrina! Usarei seu texto em nossos estudos! Luiz Carlos, Centro Espírita Obreiros do Amor, SP

    ResponderExcluir
  3. MAGNIFICAS LINHAS DOUTRINARIAS!!

    ResponderExcluir

zoantropia